Formação & Desenvolvimento
Promoção do conhecimento e desenvolvimento de pessoas e organizações
e-Learning
Serviços e soluções para e-learning.
Transferência de Tecnologia
Valorização do Conhecimento Comercialização de C&T.
Empreendedorismo
Promoção de uma cultura empreendedora e apoio a spin-offs universitários.
Clínica de Negócios
Consultas especializadas para o desenvolvimento dos negócios.
GAPI
Gabinete de Apoio à  Proteção da Propriedade Industrial.
TecMinho 30 Anos Mini-site
Oportunidades TecMinho
APCER Certificados da Qualidade
Central-Topo
Duas experiências fantásticas pelo projeto Green EYE 2017-05-09

Intercâmbio de 6 meses de Green EYE, Reino Unido e uma nova start-up

Rui Gonçalves é natural de Ponte de Lima, formou-se em Biologia Aplicada pela Universidade do Minho e possui uma empresa de apicultura que tem como focos principais a produção de mel, a educação ambiental utilizando a abelha como modelo e a promoção de sistemas de produção alimentar amigos do ambiente. “Apesar de viver numa zona rural de excelência para a exploração apícola, não é, no entanto, o local mais propício para a realização de contactos e parcerias empresariais”, diz. Foi, então, que, em julho do ano passado, Rui estabeleceu o seu primeiro contacto com o projeto Green EYE, no âmbito do programa Erasmus para Jovens Empreendedores, e dinamizado em Portugal pela TecMinho. Da necessidade em estabelecer relações com empreendedores fora de Portugal, aliada à vontade que sentia em alargar os seus conhecimentos em “networking” além-fronteiras, surge a tomada de decisão de Rui em partir à aventura para Inglaterra no mês logo a seguir, em agosto de 2016.

O primeiro passo para iniciar a nova jornada foi escolher o seu empreendedor de acolhimento, ou high entrepreneur (HE), que tivesse os requisitos que mais lhe agradavam: ser residente do Reino Unido e possuir bases de conhecimento em tecnologia alimentar. “Curiosamente, para além de ter encontrado uma empresa já estabelecida no sector alimentar, este HE mantém ainda o espírito empreendedor bastante presente”, relata. Para Rui, foi a cereja no topo do bolo, pois pôde aliar a sua experiência na atividade apícola à experiência do empreendedor de acolhimento, resultando na fomentação de uma ideia inovadora de criação de um suplemento alimentar para abelhas.

Foram seis meses de intercâmbio com muita aprendizagem e partilha de conhecimentos, que incluíram o desenvolvimento de várias atividades como a pesquisa de mercado, a implementação do modelo de negócios, o contacto com fornecedores e retalhistas e o desenvolvimento de produto e futuros financeiros. Apesar de ter terminado o seu percurso no programa Green EYE, Rui soube que continuará a desenvolver estas atividades depois de ter recebido uma proposta para fazer parte da empresa acolhedora. “Mantemos a intenção recíproca de continuar a trabalhar juntos e no mesmo sentido de forma a desenvolver o projeto iniciado e trazer sucesso a esta nova start-up” - Rui é determinado nas palavras e na atitude que demonstra perante os desafios que lhe vão surgindo ao longo da vida.

“Mantemos a intenção recíproca de continuar a trabalhar juntos e no mesmo sentido de forma a desenvolver o projeto iniciado e trazer sucesso a esta nova start-up”

Conta-nos que, para ele, o Green EYE e o ter encontrado o empreendedor de acolhimento que idealizava foi o culminar de uma grande oportunidade, onde pôde aprofundar conhecimentos e alargar a sua experiência em networking, conhecimento de mercado, ideia e colaboração: “Confirmo que este intercâmbio superou largamente as minhas expectativas, pois onde estava previsto uma participação de uns meros 6 meses numa empresa, transformou-se na criação de uma nova start-up com uma equipa de empreendedores britânicos”.

“Confirmo que este intercâmbio superou largamente as minhas expectativas(…)”

Agora que Rui já aprendeu o que é criar uma empresa fora de Portugal, além de ter descoberto novas formas de encarar e ultrapassar obstáculos, parte para Israel para realizar testes de prototipagem e desenvolvimento de produto. Planeia, também, ainda este ano, realizar ensaios de campo em Portugal de modo a testar os efeitos do novo produto alimentar em colmeias em campo aberto.

 

A comunicação e as relações internacionais aliadas ao Empreendedorismo

Entre Rui e Diana Oliveira, há dois fatores que os aproximam, apesar de não se conhecerem: escolheram ambos Londres como destino, e vivenciaram experiências únicas durante o intercâmbio. O percurso de formação académica de Diana começou na Universidade do Porto, onde se licenciou em Estudos Europeus, mas acabou por “aterrar” na UMinho, aquando da realização do mestrado em Marketing e Estratégia.

Sabe-se que é apaixonada por comunicação, relações internacionais e educação e, talvez por isso, tenha decidido participar no Programa Green EYE – Erasmus for Young Entrepreuners. “A mobilidade internacional, a aprendizagem de novas culturas e novos olhares, a experiência de novas formas de trabalhar, a possibilidade de aprender ou praticar uma língua estrangeira, tudo são benefícios enormes que advêm das oportunidades de intercâmbio”, e foi desses benefícios que Diana foi atrás, quando partiu para Londres este ano. Além disso, pôde, também, aliar todas essas vantagens à oportunidade de testar o seu modelo de negócio fora do país e aprender com os empreendedores mais experientes da Europa.

“A mobilidade internacional, a aprendizagem de novas culturas (…) tudo são benefícios que advêm das oportunidades de intercâmbio.”

Diana diz ter sido bem recebida pelo seu empreendedor de acolhimento e a restante equipa da empresa “Look Mum No Hands!”, um cycle café onde pôde experienciar as várias funções que implica o bom funcionamento de um negócio, tais como, o “pormenor do negócio, desde a gestão de comunicação e marketing, backoffice, organização de eventos, catering, serviço ao cliente e barista”, fez de tudo um pouco. Não só adquiriu competências, como também pôde contribuir com as suas para o desenvolvimento desse negócio, participando nas funções de marketing e comunicação na promoção de um segundo espaço aberto recentemente: “Foi assim uma verdadeira troca de experiências, todos saímos a ganhar deste verdadeiro trabalho de equipa”.

“Foi assim uma verdadeira troca de experiências, todos saímos a ganhar deste verdadeiro trabalho de equipa.”

Passou um mês em Londres e consigo pôde trazer uma lista extensa de ideias e dicas a pôr em prática no seu futuro projeto empresarial e uma experiência altamente enriquecedora: “O “Look Mum No Hands” abriu portas a uma jovem empreendedora que espera, um dia, poder ter um pequeno espaço semelhante em terras lusas.”

 


Foto do Rui Gonçalves

 

 
Autenticação
Utilizador:
Password:
 
Novo registo
Recuperar Password
 
Acesso a Plataformas
 
Newsletter TecMinho
Subscrever
 
TecMinho no Twitter